domingo, 16 de fevereiro de 2020

DONA NICINHA E SEU AURINO EM SÃO PAULO

Minhoca, Dona Nicinha de Santo Amaro e Seu Aurino de Maracangalha / BA
E assim foi, entre os dias 04 e 08 de fevereiro, momentos de intenso aprendizado nessa brincadeira do Samba de Roda.

O Sesc São Paulo em uma parceria que vai além da ação específica e pontual. Potencializa o dia a dia de ações locais no bairro da Bela Vista - Bixiga em torno do legado de Mestre Ananias. 




No Sesc CPF nas vozes do Mestre (a) discorremos sobre os toques da Viola Machete a partir da pesquisa de Tiago de Oliveira Pinto em um trabalho de Nina Graeff. (pesquisa disponível no link)







Já no Sesc 24 de Maio a Mestra(e) deixa evidente a cada passo, miúdo e misterioso, que o Samba esconde segredos a partir do som da Viola.





Na Casa Mestre Ananias tivemos a chance de experimentar um pouco mais junto aos nossos mais velhos. Todos ouviram bem os detalhes, tocaram e puderam estudar de forma mais específica, para além da prática.


E um dos mais importantes acontecimentos dessa temporada foi nossa ida ao Ilê Axé de Mestre Bigo. Ações dessa magnitude cultural devem acontecer nas periferias onde normalmente não chegam essas informações.

Pudemos estender a ação para o bairro da Pedreira, extremo sul da capital, na 2ª edição do projeto Zumb'Ilê Axé Pastinha.

Levar esse conteúdo cultural, ainda com a presença dos Mestres(a), para os extremos da cidade onde nossa comunidade da Capoeira tem função social ainda mais profunda é fundamental para nossa proposta.


O "Garoa do Recôncavo" é um movimento que vive a cultura do Samba de Roda em ações diárias e festivas na Casa Mestre Ananias. Nosso entendimento  para legitimar essa cultura aqui em São Paulo está, essencialmente, nessa comunidade de Capoeiras.


Fica nossa gratidão a todos os envolvidos nessa temporada. Sesc por viabilizar a vinda de Dona Nicinha e Seu Aurino, tão bem acolhidos na casa de Alvinha, Zeca, Mário e Júnio. Cabo Jairo obrigado por convidar o Garoa do Recôncavo para o II Zumb'Ilê Axé Pastinha e claro... a todos os membros da Casa Mestre Ananias que, sem vocês nada disso teria sentido e nem a possibilidade de acontecer.



fotos Giu de Luca 
         Ângela Oskar (no Sesc 24 de Maio)

segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

TONS DE MACHETE - CICLO DE OFICINAS





Para a Oficina desse ano de 2020 teremos conosco Seu Aurino de Maracangalha / BA, um dos últimos violeiros de uma geração que resguarda segredos preciosos do Samba de Roda do Recôncavo da Bahia.










E para sambar fazendo jus à "prima dessa viola envenenada", tivemos que convidar quem também carrega dentro de si o mesmo tesouro, Dona Nicinha de Santo Amaro da Purificação / BA.

Você que toca instrumento de corda e se interessa pelas origens do Samba, tem a chance de entrar no túnel do tempo. É ter contato direto com os detentores desse conhecimento que, em alguns anos, será absolutamente transformado pela modernidade e necessidades dos novos tempos.  

João da Viola e Mestres Vavá e Vivi (Sto Amaro da Purificação / BA)

O conteúdo do vídeo é um pequeno trecho da pesquisa de Tiago de Oliveira Pinto, pesquisador que na década de 80 fez um dos raros registros de pesquisa do Samba do Recôncavo da Bahia. No caso o olhar estava atento à Viola Machete.



Através do trabalho da pesquisadora Nina Graeff esse material inédito será disponibilizado através da internet. São gravações em áudio e vídeo do Samba Chula, toques da viola Machete, além de cenas com Dona Nicinha, moça na época, dentro do Candomblé em Santo Amaro.




Durante a semana, entre os dias 04 e 08 de fevereiro de 2020, teremos a oportunidade para desvendar os segredos da VIOLA MACHETE no tom do Samba de Roda do Recôncavo da Bahia. Em forma de prosa, oficina e muito Samba ficará evidente que a Viola está para o Samba, assim como o Berimbau está para a Capoeira!
          
PROGRAMAÇÃO DA SEMANA
presença das Mestras Sambadeira e pesquisadora e o Mestre Violeiro

Dia 04/fev as 19h - 1ª Roda de Capoeira da Casa com a presença de Dona Nicinha e Seu Aurino. Faremos um Samba para abrir com chave de ouro nossas Rodas.

Dia 05/fev as 19h30 - Sesc CPF TONS DE MACHETE - Recuperação de técnicas da Viola Machete no Samba do Recôncavo Baiano. Será apresentado o material pela pesquisadora Nina Graeff, responsável pela iniciativa que vai mediar o diálogo sobre o material. 

Dia 06/fev as 19h - A VII Oficina de Samba de Viola Machete da Casa Mestre Ananias com o grupo Garoa do Recôncavo. Inscrições pelo email casamestreananias@gmail.com vagas limitadas

Dia 08/fev 

Fotos Gabriel Borba / Uendel Galter

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

CASA DE PORTAS ABERTAS - 2020


De portas bem abertas, já no 13º ano de Casa, reiniciamos as atividades em 2020. E vamos continuar para além das 561 Rodas semanais de Capoeira e 51 Festas Populares anuais já realizadas no bairro. Passaram por aqui pelo menos 496 famílias em nossas ações diárias de formação, vivenciando e aprendendo sobre nossa Cultura Popular Tradicional, sobretudo a Capoeira e o Samba de Roda baiano.


A Sala de Artes, menos popular mas não menos importante, perde evidência quando ocupa o andar de cima do salão onde acontece a Capoeira, o Samba e as Festas. Merece todo nosso carinho e esperamos ter mais estrutura já que boa parte do tempo nossas crianças ficam alí, envolvidas em muitos aprendizados.



E se depender de nós, nossa Rua se mantém assim, uma extensão da nossa Casa, um quintal onde todos podem passear e se sentir parte dela.

Estou dizendo tudo isso pois declaramos aqui em voz alta


AS VAGAS ESTÃO ABERTAS PARA OS CURSOS DA CASA MESTRE ANANIAS  
  • Capoeira (adultos)
  • Samba de Roda / Pilates (3ª Idade)
  • Turma Infantil (Capoeira / Dança / Teatro / Culinária e Artes Integradas)
Temos história e nossos olhos serão os seus Mestre Ananias


Fotos Zé Carlos / Plano Planes

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

CONSCIÊNCIA NEGRA - MESTRE ANANIAS


Durante novembro, mês da Consciência Negra, nossas ações tem mais cor, mais voz, mais beleza, porém na verdade o movimento só se mantém porque sua imagem, Mestre Ananias, sempre estará ao fundo. E quando o mês de novembro termina merece comemoração, e esse dia só pode ser dia de Festa, dia do aniversário de Mestre Ananias. E assim mantivemos os últimos 23 anos, dia 1º de dezembro faremos Festa e Domingo passado não foi diferente.

Pé do berimbau Mestres Geraldo Baiano e Dinho Nascimento

Feijoada à moda baiana, Capoeira, Samba de Roda e esse ano teve  Mamulengo com "Os Naníacos", trupe de teatro da Casa Mestre Ananias.

Mas retornando ao mês de novembro pudemos participar de duas ações fortes. Uma delas foi a participação na Mostra Tradição e Resistência Urbana no Sesc Itaquera. O projeto reuniu manifestações tradicionais que se tornaram ícones da resistência da matriz afro-brasileira no contexto urbano do estado de São Paulo.



No Sesc Itaquera durante mais de uma semana, vários grupos de cultura popular tradicional se apresentaram e pelo movimento de Samba de Roda "Garoa do Recôncavo" apresentamos um pedaço do legado de nosso Mestre Ananias 


Também houve um debate da produção negra a partir das histórias e ações da Casa, Samba Lenço de Mauá e do Afoxé Kaomy na perspectiva da difusão da ancestralidade e identidades afro-brasileiras. Estiveram presentes Rodrigo Minhoca, Claudete Pereira, mãe Silvia de Oya e Pedro Neto (mediador)

Nesse mesmo novembro fomos convidados para uma ação no SIAT II, unidade de Serviço Integrado de Acolhimento Terapêutico, um projeto de assistência às pessoas em situação de rua e com dependência química que vivem na região da cracolândia.

 
Povo da Casa Mestre Ananias no SIAT II

Chegamos para surpreender com nossa Capoeiragem e com o Samba de Roda e fomos surpreendidos. A recepção e o envolvimento do público do SIAT II transformou em um momento emocionante, forte e marcante. Quando a Capoeira está entre aqueles que possuem necessidades mais extremadas ela se manifesta de forma mais profunda e valiosa. 

Fica nosso agradecimento a todos os membros da nossa comunidade em torno da Casa Mestre Ananias, que são a permanência desse legado. Também agradecemos aos parceiros da Zona Franca aqui do Bixiga que articularam a ação do SIAT e ao Pedro Neto, um dos curadores que nos convidou para a ação no Sesc Itaquera.

fotos Giu de Luca / Paper Planes