segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

CASA DE PORTAS ABERTAS - 2020


De portas bem abertas, já no 13º ano de Casa, reiniciamos as atividades em 2020. E vamos continuar para além das 561 Rodas semanais de Capoeira e 51 Festas Populares anuais já realizadas no bairro. Passaram por aqui pelo menos 496 famílias em nossas ações diárias de formação, vivenciando e aprendendo sobre nossa Cultura Popular Tradicional, sobretudo a Capoeira e o Samba de Roda baiano.


A Sala de Artes, menos popular mas não menos importante, perde evidência quando ocupa o andar de cima do salão onde acontece a Capoeira, o Samba e as Festas. Merece todo nosso carinho e esperamos ter mais estrutura já que boa parte do tempo nossas crianças ficam alí, envolvidas em muitos aprendizados.



E se depender de nós, nossa Rua se mantém assim, uma extensão da nossa Casa, um quintal onde todos podem passear e se sentir parte dela.

Estou dizendo tudo isso pois declaramos aqui em voz alta


AS VAGAS ESTÃO ABERTAS PARA OS CURSOS DA CASA MESTRE ANANIAS  
  • Capoeira (adultos)
  • Samba de Roda / Pilates (3ª Idade)
  • Turma Infantil (Capoeira / Dança / Teatro / Culinária e Artes Integradas)
Temos história e nossos olhos serão os seus Mestre Ananias


Fotos Zé Carlos / Plano Planes

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

CONSCIÊNCIA NEGRA - MESTRE ANANIAS


Durante novembro, mês da Consciência Negra, nossas ações tem mais cor, mais voz, mais beleza, porém na verdade o movimento só se mantém porque sua imagem, Mestre Ananias, sempre estará ao fundo. E quando o mês de novembro termina merece comemoração, e esse dia só pode ser dia de Festa, dia do aniversário de Mestre Ananias. E assim mantivemos os últimos 23 anos, dia 1º de dezembro faremos Festa e Domingo passado não foi diferente.

Pé do berimbau Mestres Geraldo Baiano e Dinho Nascimento

Feijoada à moda baiana, Capoeira, Samba de Roda e esse ano teve  Mamulengo com "Os Naníacos", trupe de teatro da Casa Mestre Ananias.

Mas retornando ao mês de novembro pudemos participar de duas ações fortes. Uma delas foi a participação na Mostra Tradição e Resistência Urbana no Sesc Itaquera. O projeto reuniu manifestações tradicionais que se tornaram ícones da resistência da matriz afro-brasileira no contexto urbano do estado de São Paulo.



No Sesc Itaquera durante mais de uma semana, vários grupos de cultura popular tradicional se apresentaram e pelo movimento de Samba de Roda "Garoa do Recôncavo" apresentamos um pedaço do legado de nosso Mestre Ananias 


Também houve um debate da produção negra a partir das histórias e ações da Casa, Samba Lenço de Mauá e do Afoxé Kaomy na perspectiva da difusão da ancestralidade e identidades afro-brasileiras. Estiveram presentes Rodrigo Minhoca, Claudete Pereira, mãe Silvia de Oya e Pedro Neto (mediador)

Nesse mesmo novembro fomos convidados para uma ação no SIAT II, unidade de Serviço Integrado de Acolhimento Terapêutico, um projeto de assistência às pessoas em situação de rua e com dependência química que vivem na região da cracolândia.

 
Povo da Casa Mestre Ananias no SIAT II

Chegamos para surpreender com nossa Capoeiragem e com o Samba de Roda e fomos surpreendidos. A recepção e o envolvimento do público do SIAT II transformou em um momento emocionante, forte e marcante. Quando a Capoeira está entre aqueles que possuem necessidades mais extremadas ela se manifesta de forma mais profunda e valiosa. 

Fica nosso agradecimento a todos os membros da nossa comunidade em torno da Casa Mestre Ananias, que são a permanência desse legado. Também agradecemos aos parceiros da Zona Franca aqui do Bixiga que articularam a ação do SIAT e ao Pedro Neto, um dos curadores que nos convidou para a ação no Sesc Itaquera.

fotos Giu de Luca / Paper Planes

terça-feira, 5 de novembro de 2019

DA BAHIA PRO BELÉM PASSA POR ONDE MESMO?




Aqui da Casa Mestre Ananias, esse pedaço de chão baiano, só na semana passada viajamos para o Belém, passamos pelo Ceará e chegamos em Pernambuco e o melhor, sem sair do lugar!!

Passando no Cariri jogamos Espada, uma das brincadeiras do Reisado Cearense. Antônio Gomides trouxe um "pouco grande" do que sua terra lhe pôde oferecer. Com sotaque de Capoeira pisou nosso chão e o seu boa noite foi, antes de mais nada, a lembrança de quem nos antecede, nos guarda e nos fortalece. O resto, segredo de quem por aqui esteve.

CLICK E VEJA O VÍDEO
Fomos até a Zona da Mata Pernambucana como de costume, a Rabeca falou alto e o Forró levantou poeira. Nosso professor de artes Rafa da Rabeca e sua "Acabocaria" apimentaram nosso passeio.


E aí sim, chegamos no Norte do nosso país, Belém do Pará pra sentir o calor do Carimbó. Com o Regional Cabuquinho tivemos pela primeira vez essa experiência nortista.


Depois, retornamos à nossa "Velha Bahia" e o Samba de Roda Garoa do Recôncavo comeu solto. Como é bom viajar o nordeste e o norte do Brasil sem sair de Casa. 

Viva São Paulo, que fica grande quando abrimos a janela do mundo e fechamos a janela dos preconceitos!

fotos Lucilene Andrade e Marcus

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

CARURU... FÉ NAS NOSSAS CRIANÇAS


Após 13 anos de Caruru aqui na Casa Mestre Ananias pudemos nesse ano de 2019 fazer a Reza para São Cosme Damião. 

Dona Rosália veio de Acupe / BA e, pela primeira vez em São Paulo, abriu nosso festejo  puxando a Reza para os protetores das crianças. Um gesto amoroso, repleto de humildade que fez muita gente chorar e refletir sobre um jeito mais calmo, fraterno e menos ambicioso de viver e que as gerações mais antigas, sabiam bem.

Os "Naníacos", grupo de teatro das crianças, se divertem e ao mesmo tempo afirmam o protagonismo daquilo que aprendem aqui, brincando em suas aulas diárias. Mais uma lição para nossa geração


Se preparam desde o início do ano para uma das mais importantes Festas da Casa, o Caruru de São Cosme Damião.


Semana anterior à Festa, a Esmola Cantada nas ruas do Bixiga despertou a curiosidade da vizinhança e envolveu muitas famílias em um gesto de doação, fraternidade, espírito comunitário, entre tantas outras qualidades de valores. Da Igreja da Achiropita ao Terreiro do Pai Francisco, visitamos as benzedeiras Dona Inácia e Tia Eliza, além de várias casas de pessoas simples e de coração aberto. Fica nossa gratidão aos que abriram suas portas e nos receberam tão bem.





O Caruru é marcado pela mesa farta, mas sobretudo pelo processo coletivo de como tudo é preparado. Desde os ingredientes que vem da Bahia, trazido pelas Sambadeiras, a doação do azeite e de todo o necessário para que essa Festa aconteça. As Mestras, Joanice e Dona Zilda, se encarregam de tudo e dão as coordenadas para que tudo aconteça na mais plena harmonia... Por essa e por outras, que ser Sambadeira não basta apenas sacudir o esqueleto. Há muito segredo por traz do que se vê!

Um bom Samba de Roda nasce muito antes da vontade de Sambar. Para isso temos que ter paciência, esperar, procurar saber mais e mostrar menos. O tempo traz o que as redes sociais não podem promover.


Fica nossa gratidão a cada um que se doou, mas sobretudo, às nossas Mestras e Mestres de Acupe que pelo 5º ano consecutivo nos fortalece m e nos mantém ativos para perpetuar o legado confiado. 



Viva São Cosme Damião, nossas crianças e o Samba de Roda que nos liga aos que nos antecedem!


fotos: Zé Amaral / Giu de Luca / João Brás